quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Eu estou orando direito?


E quando a própria oração se torna um motivo de ansiedade? Deixa eu explicar o que eu estou querendo dizer. O dia havia começado. Eu precisava editar o vídeo da série de Filipenses sobre ansiedade (vejam só!), que tinha gravado há alguns dias. Mas estava tendo problemas com o programa (falta de habilidade) e ainda havia um monte de coisas pra resolver aquele dia. Lembrei: "preciso de um tempo a sós com Deus". Isso faz meio que parte da minha rotina e eu tento ter todo dia, mesmo nos mais cheios. Não é uma questão de disciplina, mas de necessidade. E naquele dia, havia muitas coisas pra tratar com Ele.

Bem, eu entrei no quarto e fechei a porta, com uma atitude que dizia: "então, Senhor, temos muitas coisas pra tratar hoje, sejamos objetivos". Pra entrar no clima, abri o youtube no celular, pra procurar alguma música de adoração. Logo de cara: "ih, tem vídeo novo do fulano, vou assistir". Clico pra ver, mas logo me dou conta: "não posso, estou no meu tempo com Deus". Isso acontece mais de uma vez e, nessa brincadeira, já se passaram 20 minutos. "Caramba! Daqui a pouco a Carol vai me pedir ajuda com as meninas". Resta pouco tempo. "Poxa, logo hoje?".

Então me lembro do que havia descoberto estudando Filipenses. A ansiedade deve ser tratada com oração (proseuché, no original) e súplica (deései). A primeira palavra indica lembrar de quem Deus é. E eu percebi que naquele meu tempo ali, eu ainda não tinha feito isso. Percebi que precisava gastar um tempo só me lembrando de quem Deus é, sem me preocupar em pedir, ainda que minha lista fosse bem grande naquela manhã. Marquei 10 minutos no celular e foi muito bom, mesmo com as distrações que tentavam chegar a todo momento. Lembrei do amor dEle por mim, lembrei que Ele sabia de tudo o que eu pretendia pedir, lembrei que, ainda que nada desse certo naquele dia, Ele estava cuidando de mim. Pedi perdão por perdê-lO de vista. Eu não dependia das minhas habilidades como editor de vídeos, chefe de família, missionário, administrador de finanças.

Isso abriu espaço pra segunda palavra, que significa apresentar humildemente a alguém a sua necessidade. Ao contrário do que algumas pessoas pensam, pedir não incomoda a Deus. Ele nos ensinou a fazer isso, em sua Palavra. Mas, sem uma consciência de quem é Deus, do que Ele deseja pras nossas vidas, isso pode ser apenas pensamento positivo. "Então, Deus é um ser caprichoso, que impõe condições pra conceder bênçãos?". Não, Ele é um Deus amoroso, que sabe que conhecer a Ele é melhor do que ter qualquer pedido atendido.

Bem, depois daquele tempo lembrando de quem Deus é, eu falei pra caramba. Falei pra Ele de como estava cansado de esperar por certas coisas, de cometer os mesmos erros. Um monte de coisas que nem lembro direito. Só me lembro da tranquilidade que senti. "Uau, isso funciona mesmo!", pensei. Não que eu nunca tivesse experimentado isso antes, mas é o tipo de lição que a gente precisa aprender de novo, e de novo.

Minha vida não está à altura, nem mesmo, dos meus vídeos, hehe. Mas se eu escolhi falar sobre a Palavra de Deus, era pra ser assim mesmo.

Aqui, o link do vídeo.

Um comentário:

Tiago Guterres disse...

Excelente Texto, Leonardo. Deus abençoe.