quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

"Outro-estima"

As receitas para uma boa autoestima estão em todo o lugar. Mas, pelo menos biblicamente, ela não merece tanto destaque. Eu inventei uma outra palavra: "outro-estima", que creio estar mais alinhada com o que os cristão deveriam buscar.


"Eu tenho um problema com baixa autoestima, o que é realmente ridículo, considerando quão incrível eu sou"

"Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a si mesmos." (Filipenses 2:3)

Esse versículo tem me confrontado bastante nos últimos dias. Tenho olhado várias das minhas atitudes e avaliado se, com elas, estou de fato considerando os outros superiores a mim mesmo. Quero compartilhar com vocês algumas das coisas que creio que precisam mudar na minha vida, à luz desse ensino.

Estar presente - Como a maioria das pessoas hoje, estou envolvido em muito mais coisas do que sou capaz de dar conta. Por causa disso, é muito comum que eu esteja sempre pensando em outra coisa do que preciso fazer. Isso acontece muito quando estou passando tempo com minhas filhas, por exemplo. Como elas são só crianças, acho que não tem problema se aproveito pra pensar em outras coisas quando estou com elas. Até me irrito quando a Cléo, percebendo minha dispersão, começa a exigir minha atenção completa. Não é só com elas que faço isso e é sempre uma perda. Se eu realmente estimo as pessoas, valorizo a companhia delas.

Ouvir - Um desdobramento de nunca estar 100% presente no momento, é não ouvir as pessoas de fato. Eu me disperso muito facilmente, então é um desafio pra mim. Mas aprecio muito quando me sinto ouvido, e sei que isso é importante pras pessoas também. E como lidar com aqueles que alugam? Encontrar uma maneira de sinalizar educadamente que você já ouviu o suficiente é melhor do que fingir estar prestando atenção.

Responder e-mails e mensagens - É muito chato gastar tempo escrevendo pra alguém e não receber uma resposta. Mas eu também acabo fazendo isso. Nem sempre eu tenho a resposta de que a pessoa precisa naquele momento. Mas não custa nada avisar que não posso responder agora, que preciso de tempo pra pensar. Penso no seguinte: como você responde a pessoas que tem algum "poder" sobre você, como seu chefe? Devemos considerar a todos como superiores, não apenas alguns. Responder demonstra que você valoriza aquela pessoa.

Ser pontual - Sempre acho que vai dar tempo de fazer tudo. Mas eu preciso reconhecer minhas limitações: não dá. Pra não deixar a pessoa esperando (já que o tempo dela é tão valioso quanto o meu), talvez eu não possa esperar pelo ônibus mais vazio. Ou então aquela tarefa, aquele lanchinho, ou até mesmo o banho, precisem ficar pra mais tarde.

Seguir regras como todo mundo - Me lembro de um professor de biologia dizendo que ele bebia e dirigia porque se garantia. O problema era alguém que não se garante fazer isso, segundo ele. Claro que condenei a fala dele. Mas o fato é que faço isso em outras áreas também. Por que não preciso entregar as tarefas no prazo? Por que não posso esperar a minha vez no trânsito?

Valorizar os sentimentos dos outros - Posso ser muito objetivo algumas vezes, não valorizando as necessidades da Carol (minha esposa) ou de alguém da minha equipe, por não serem fatos objetivos, mas sentimentos. Nossa vida não deve ser guiada pelas emoções, mas os sentimentos fazem parte de quem somos. Considerar os sentimentos de alguém expressa que valorizamos essa pessoa.

Tomar a iniciativa de resolver conflitos - Algumas vezes penso que não vale a pena conversar com alguém sobre um conflito ou uma discordância. Acho que aquela pessoa não vai entender, ou não é madura o suficiente. Mas, apesar de achar que posso dispensar a conversa, no meu coração a mágoa permanece, ou o sentimento de que posso descartar aquela pessoa. Se eu não posso seguir em frente sem ressentimento, procurar uma oportunidade pra resolver a situação, mostra que, de fato, eu estimo e valorizo aquela pessoa.

Servir - creio que essa é a principal maneira de tratar os outros como superiores. Eu estou disposto a ser tratado como inferior, se for o caso, pra servir a meus irmãos. Confesso que já servi com a atitude: "eu não precisava fazer isso!". Bem, se aquilo precisava ser feito, quem tinha que fazer, então? Preciso admitir que algumas vezes me acho bom demais pra algumas tarefas e me arrepender diante de Deus. A ideia de que quem serve é inferior não poderia estar mais longe da verdade. Pense em como Deus generosamente nos serve, nos dando tudo de que precisamos. Pense numa mãe, que cuida de um bebê, dá banho, troca fralda. Essas não são manifestações de inferioridade. Pra quem compreende essa verdade, servir é um privilégio.

Bem, de maneira nenhuma quero esgotar o assunto. Você concorda com a minha lista? Acredita que há outros itens que deveriam estar aí? Deixe seu comentário.


Nenhum comentário: